domingo, 8 de outubro de 2017

Bonecos de cera

Aquela menina é muito linda. Eu acho que me apaixonei por ela. Parece ser boa gente, pois tem um sorriso perene no rosto que emana sinceridade com uma perfeição tocante. Eu sei que perfeição não existe, mas tudo acima do padrão que estabeleço de belo por definição já o é sublime ao extremo. Perfeição é o corolário das minhas expectativas. Meu padrão de aceitável está posto em um nível bem baixo, de tal modo que não exijo muito dos meus amores platônicos, pois eu sou um homem simples. Talvez inseguro. Não sei. Não importa.
            Nem sei mais o que estou pensando. A beleza dela é arrebatadora e eu preciso pensar em algo rápido para chamar sua atenção.
            A moça está vindo pela calçada, sozinha, toda sorrisos e radiância. Covinhas em seu rosto de pele lisa ressaltam sua pureza. Quem sou eu para merecê-la? Ela está chegando.
            – Oi, bom dia. – cumprimento-a com cordialidade. – Tudo bem?
            Ela passa batido por mim, sorrindo. Não me ouviu, não me percebeu. Tenho certeza de que minha voz foi alta e audível. A garota dos meus sonhos está indo embora e talvez este dia seja a minha única oportunidade para atrai-la. Preciso, ao menos, chamar sua atenção, custe o que custar. Uma pequena atitude impensada, uma decisão mal tomada, irá mudar completamente o rumo de nossas vidas daqui em diante. Um laço se formará caso eu escolha a persona correta para evidenciar aos seus olhos celestes límpidos.
            Corro até o outro lado da rua, pulando por cima de carros estacionados e antes quase me estatelando em um capô em movimento. Buzinas estridentes surram meus ouvidos internos, mas isso não importa, pois tudo valerá a pena. Entrando na lojinha de avatares “Perfil Certo”, pesquiso rapidamente com os olhos por um rosto atraente. Percorro as prateleiras com destreza e aperto o passo na linha tênue e iminente entre um passeio tranquilo e uma corrida enlouquecida pela vida. Meu coração estoura no peito quando eu encontro a face masculina mais bela que achei.
            – É lindo demais... – digo em voz alta, pois quero que todos percebam que eu fui privilegiado por ter contemplado tal beleza.
            Os transeuntes não ligam para minha opinião, mas alguns poucos desconhecidos passam com o polegar levantado e cara fechada ao meu lado. Esses poucos polegares erguem o meu ânimo e eu grito bem alto:
            – É esse o rosto que eu vou comprar! – faço questão que me ouçam até de fora da lojinha. Quem sabe o amor da minha vida ouça minha confiança, lá da calçada. – Pessoal, com isso eu conseguirei conquistar a garota mais bonita que eu já vi!
            Agora são mais polegares que se levantam e se somam à bajulação, enquanto outros nos cantos se tornam irritados e me xingam e xingam tudo e desferem murros na parede, e uns dum terceiro tipo desabam no chão e choram numa crise existencial escandalosa.
            Levo um tombo espiritual quando noto o preço do rosto em minhas mãos.
            É muito, muito caro. Não tenho cacife para bancar uma coisa tão custosa assim. Tampouco tenho limite no cartão de crédito para fazer uma aquisição dessas. Contudo, minha vida depende desse semblante perfeito, sem espinhas, sem cicatrizes e com poros fechados. Preciso pensar em algo.
            – Já sei! Tive uma ideia brilhante! Eu sou demais! – deixo bem claro que eu sou um gênio, e com essa autoafirmação me sinto melhor.
            Tiro a roupa no meio da loja e fico nu, com minha genitália pequena pendendo inutilmente. Tento virar uma estrela e falho miseravelmente, chocando de costela no azulejo do chão. Minha pança faz um barulho de baleia levando tapa quando beija a cerâmica gelada e lustrosa. A cena é cômica e sinto pena de mim mesmo. Acho que me defequei um pouco no calor do momento, e agora várias pessoas anônimas, cujas faces estão de repente cobertas por véus negros, apontam para minha situação lamentável no chão. Estão rindo, estou as entretendo. De um instante ao outro, com minha humilhação, minha máscara está paga e agora posso vesti-la. Levanto-me, ainda sem fôlego, e visto minhas roupas, cubro minhas vergonhas. Não preciso passar no caixa, pois agora sou famoso, sou conhecido por todos daqui e fiz a vida deles melhores por terem testemunhado tamanha patetada.
            Saio pulando da loja, agora um outro homem. Meu rosto novo e lindo.
            Persigo com obsessão minha desejada, que já está duas quadras à frente, iluminando e iluminada pela sua própria beleza mesmo de longe e de costas. Ela vai ser minha!
            – Ela vai ser minha! – corro.
            Corro, corro, ajeitando minha máscara.
            Corto a frente da moça, ajeito a postura, enfuno o peito, ajusto meu timbre de bazófia, respiro fundo e confiante, e digo a ela:
            – Oi, bom dia.
            – Ooi, tudo bem com você? – ela responde de prontidão, me aprovando.
            – Estou sim. E você? – prossigo a conversa naquele tom firme.
            – Também estou. – ela está sempre sorrindo. – Que bom, né?
            – Sim. Achei você muito bonita, e aposto que deve ser bem interessante, também.
            – Ah, sim. Obrigada.
            Ficamos nos encarando. Meus olhos castanhos ordinários e os azuis abençoados dela. Ela é tão linda. Não acredito que vou consegui-la. Estou pensando nos nossos filhos. Eles serão muito bonitos e terão nomes de anjos. Não acredito que eu, justo eu, esse cara feio, conseguirá uma moça tão elevada e bonita e sorridente e alto-astral. Seu perfil transparece alegria plena.
            Estamos em silêncio. Estamos parados no meio da calçada.
            Preciso pensar em algo.
            – Então... – digo, coçando a nuca, mas mantendo meu sorriso convidativo. – Como você se chama?
            – Clara. – responde, feliz.
            De volta, retornamos ao silêncio; e a culpa é toda minha. Não consigo sustentar essa conversa. Nunca fiz algo assim. Nunca conversei com uma moça.
            – Então... – digo, pensando em algo. – O que acha de nós...
            Meu peito arde e dele um jato de sangue espirra no rosto da mulher. Todavia ela é tão perfeita que tudo o que a toca não a suja. Realmente intangível. Linda, ainda sorrindo, mesmo depois de ter enfiado esta estaca no meu coração pulsante.
            Minha visão borra por trás do meu rosto bonito que vesti. Meus joelhos cedem e sinto que a energia esvai de meu corpo, logo a se tornar cadáver. Já deitado nas pedras pontiagudas da calçada, aos pés de Clara – muito perto deles, mas não permitido a tocá-los – meu último relance do mundo é o sorriso lindo e indiferente dela. Completamente desinteressada, ela passa por cima de mim como se eu nunca tivesse existido. Enquanto isso eu sofro, e comigo ela deixa toda a inconveniência para trás. Eu sou uma inconveniência para ela, devo morrer. Não tenho direito de existir, pois sou inseguro e insuficiente. Clara caminha, já na esquina e atravessando a rua toda altiva, fora da faixa de pedestres e sem ao menos olhar aos dois lados para checar o trânsito. Afinal, ela não precisa perder tempo com coisas triviais como estas, pois ela é impossível e está correta. Eu estou errado e deixarei este mundo sabendo que estou errado e orgulhoso em saber que não incomodei Clara e que ela terá sua chance de ser feliz com outro cara no seu nível.
            Adeus, minha deusa. Obrigado por me dar uma chance.
            – Desculpa por ser chato... – digo, cuspindo uma torrente de sangue arterial claro.
            E é no último instante de vida que eu me recordo do rosto sorridente da minha amada. E é tarde demais, quando estou deixando de existir e deixando tudo para trás, perdendo todas as oportunidades e todas as oportunidades de ter oportunidades, que me sinto arrependido.
            Minha vida passou tão rápido e eu a desperdicei. Pra quê?
            Fiz tudo por Clara.
            E a imagem de seu rosto feliz com covinhas assalta minha mente.
            Clara, tão perfeita e tão fria quanto um boneco de cera.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Nada é mais real/Nada mais é real

Fechando os olhos, navegamos no espaço;
Juntos, nós dois estacionamos no tempo.
Nós nos apartamos em nenhum momento:
A menor distância existente é esse beijo.

Abrindo os olhos, não saímos do lugar,
Mas um melhor lugar para se estar não há,
Do que envolvido no domo do seu abraço
Aprendendo a volitar sem dar nem um passo.

Tudo é relativo, mas nosso amor é absoluto;
Tudo é difícil, mas nisso há certeza de clareza
De que nada mais importa no multiverso inteiro.

Nunca foi mais fácil estar resoluto
De que não há nada de maior pureza
Do que os versos das nossas bocas unas.

Só nós entendemos a gravidade da situação
Da eventualidade de eu soltar a sua mão.

A realidade arredor fica distorcida...
Meu imo ganha peso e parte contigo...

A saudade aperta no pulmão e me arrebenta na metade...

É um adeus para sempre até amanhã...
Estou sozinho novamente

Porém jamais solitário

Ligue pra mim

É um suplício


Um segundo sem você é um desperdício

Você é minha luz, venha direto a mim
Não deixe que o caminho entorte seu trajeto
Por favor, deixe-me ser seu fim,
Seu ponto final, seu destino

Não deixe que lhe desviem e mudem sua cor
Sem você não tenho chão nem teto
Estou doente de dor

O que posso fazer pra passar o tempo?
Tudo discorre de modo tão lento

Venha rápido; necessito-lhe, pra ontem

...

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Ser e estar

– Aquele carro ali. – aponto ao carro ali. – Eu sempre quis ter esse carro. Não sei a que intuito sirva um carro, mas sei que eu acho que eu um dia quis ter esse treco aí. Tive oportunidade de trabalhar bastante pra juntar o montante de unidades monetárias necessário para adquiri-lo, mas eu não dei valor para as possibilidades da vida. – converso comigo mesmo. – Que pena. Cansei de conversar sozinho.
Ando pela rua de asfalto despedaçado pelo verde, o Sol escaldante torrando minha nuca. Tudo é tão silencioso que nem sei descrever direito. Falta dinamismo, eu acho. Nunca usei essa palavra, “dinamismo”, na vida. Parabéns pra mim.
Pego um pedaço de pau qualquer por aí e o balanço, gastando energia inutilmente. Energia é um bem precioso hoje em dia, pois todas as coisas fáceis de comer estão podres. Mas, sei lá, não tem muita coisa a se fazer, então qualquer coisa que gaste energia é bem vinda. Nem sei por que insisto em continuar vivendo, também. Tudo é tão chato.
            Fico pensando bastante, porque não há muito a fazer. Fazer coisas não tem graça, sei lá por que. Talvez o sentido da vida no passado fosse realizar ações para os outros verem, sentirem com suas sensações organolépticas e responderem com reações. A vida podia muito bem ter sido apenas uma causalidade de eventos, onde eu faço isso e o outro faz aquilo em resposta a isso que eu fiz. Mas o que são “os outros”? Ué. Já nem sei mais o que estou pensando. Deve ser esse Sol na nuca que frita meus miolos. Nada faz sentido.
            – Vá se foder. – digo, sem entusiasmo, e arremesso o pedaço de madeira.
            Até morrer não faz sentido. Comer também não faz sentido, mas a fome dói. Por falar nisso, preciso caçar a janta antes que escureça. Eu bem que poderia não ter arremessado aquele pedaço de pau pra longe. Teria sido uma ferramenta conveniente. Devo estar ficando inconsequente, agora que não existe coisa alguma para me julgar e retrucar na minha cara o quão errado o que eu faço é. Cara, eu já nem sei por que estou filosofando, ou se o que filosofo todo dia tem alguma lógica. Pra que serve a minha filosofia se não há outro para rebater com argumentos e tentar, junto comigo, desbravar teoricamente a vida? Filosofo porque tenho que exercitar a comunicação e não esquecer que as palavras um dia existiram e foram úteis. Quero preservar o legado de algo que ainda reside em mim, por algum motivo, mesmo que eu não tenha esperanças de que isso venha a ter serventia no futuro.
            – Algum animal aí quer ser comido? – grito, fazendo concha com as mãos. Meu timbre bate e rebate nas ruínas da sociedade, entrando e saindo de edifícios sujos e rachados pelas intempéries. – Quem quiser levante a mão. – complemento. – Digo... Levante a pata! – corrijo-me, a troco de nada. – Levante a mão só se for um macaco, tudo bem?!
Será mesmo que não tenho mais esperanças? Acho que tenho sim. Que legal, estou mentindo pra mim mesmo, e ainda por cima estou confuso. Não sei mais o que eu quero, e não se o que se passa pela minha cabeça é verossímil, porque não há nada que me diga que estou errado. Logo, tudo o que eu falar é lei. Sou a verdade. Tudo o que eu fizer está certo. Acho que foram só esses tais de “outros” sumirem do mundo que todos os conflitos cessaram e tudo o que existe se unificou em mim. Eu sou o rei dessa porcaria toda. Monopolizo toda essa bosta e bosta nenhuma ao mesmo tempo.
Meu Deus, eu só penso merda.
– E só falo merda, também. – digo a um coelho que come grama.
Que Deus?
O coelho não é arisco. Isso significa que ele não me vê como ameaça. Nem sei por que eu me importo com isso. Mesmo assim, dou um chute nele e o faço voar pra longe.
– Por que está me tratando com indiferença, seu verme? – aponto pra ele. Corro atrás dele e piso em sua cabeça insignificante. – A única coisa que ainda faz sentido é sentir dor, e mesmo a dor eu tento evitar, porque eu quero comer.
Hoje em dia, o instinto se tornou obsoleto. Pra que sobreviver? O instinto é uma inconveniência. Talvez eu inconscientemente preserve o instinto para não me esquecer de como ele é. Algum motivo me diz sem realmente dizer para eu preservar o que ainda há dentro de mim. Ou talvez eu só pense demais, mesmo.
– Trá lá lá, que vontade de chorar! – entoo, numa melodia improvisada. – Tré lé lé, estou  vivo e em pé! – deposito o cadáver do coelho por cima do ombro e retomo minha caminhada solitária sem rumo. – Tró ló ló, quanto pó nesses prédios. – preciso cantar para preservar a musicalidade desse planeta. – Tri li... Vixe... – dou passos, e com a mão no queixo e cenho franzido fico bem pensativo. – Estou esquecendo a ordem das vogais. E estou esquecendo como rimar.
– Eu também.
Paro de andar.
Alguma coisa esquisita quer sair do meu peito. É uma dor? O que foi isso?
– O que foi isso? – pergunto.
– O que o quê? – alguma coisa acontece em alguma direção.
– Isso não é um eco. – afirmo. – O que foi isso? – giro a todos os lados, com a coisa dentro do meu peito acelerada e respiração esquisita.
– É uma voz. – a voz responde, agora emanando pela direita. – Uma voz feminina. – viro pra direita.
Fico em silêncio por um tempo tentando compreender o troço direito. O mato alto na minha frente começa a se mexer de um jeito que o vento não faria. Só ouço esse barulho de grama. Aliás, minhas orelhas estão esquisitas, porque fica um negócio dentro delas pressionando eu por dentro e fazendo “tum tum, tum tum”. Não lembro o que é, mas tenho a sensação de que algum dia eu já tive essa sensação. Inclusive, faz tempo que eu não tinha sensação nenhuma além do tédio. Estou me desconhecendo.
– O que você está sentindo? – a voz, agora mais alta, pergunta. – Nossa, que mato alto. – o mato diz, se agitando mais perto de mim.
– Ué. – coço a nuca. O Sol está na minha testa. – Sei lá. Acho que fome. Só que nunca senti fome no peito.
– Credo. – a voz do mato responde. – E você, o que está sentindo? Digo... E eu? Digo... – o mato para de se balançar. – Estou tão acostumada a falar sozinha que nem sei mais falar.
Silêncio.
O mato volta a se mexer. Coço a orelha e troco o coelho de ombro. Minha garganta também pulsa, assim como o resto do meu organismo. Estou com uma tremedeira estranha, a qual aumenta na medida em que o mato vai se abrindo mais perto. Bocejo. Por quê?
Um ser bípede sai de dentro do mato, vestindo um maltrapilho que nem eu. O ser para onde está e ficamos uns dois minutos nos averiguando visualmente, mantendo a distância. Sinto algo que não sentia faz tempo, e acho que era a curiosidade. Ainda estou tremendo, mas parece que é bom, mesmo que seja ruim e que debilite as fundações da minha força mecânica. Verifico que a criatura possui dois pés, duas mãos, dois braços, duas pernas, uma cabeça, cabelo longo, dois olhos, e tudo mais igual a mim. Igual não, parecido.
– Você, por acaso, é um ser humano? – pergunto, rompendo o silêncio. O que é isso que eu acabei de falar?
– Decerto. – responde, um som doce sai de seus lábios. Acho que isso se chama “sinestesia”. – Uma ser humana. Sou um espécime fêmeo. Eu acho. – seu rosto se avermelha.
Humano? O que é isso?
– Seu rosto está vermelho. – aponto pras suas bochechas encardidas.
Ela põe as mãos no rosto, como se com o tato pudesse verificar as cores. Na verdade, ela pôs as mãos pequeninas na frente do rosto para escondê-lo de mim. Sei lá por que fez isso, mas nada faz sentido mesmo, então tanto faz. Ou será que faz sentido?
Ando sem querer para perto dela, enquanto ela ainda está com a face coberta. É uma ação involuntária essa minha. Paro bem perto dela, frente a frente, e desprezo o coelho sem graça e sem cabeça no asfalto partido. De repente começo a recordar uma miríade de coisas do passado. Palavras, significados, conceitos, histórias, etecetera.
– Qual é o seu nome? – pergunto, de cabeça baixa, porque ela é baixinha.
A mulher permanece parada por alguns segundos, com a cabeça baixa, porque não sei por que. Vagarosamente baixa as mãos e em seguida levanta a cabeça para encontrar meus olhos. No momento em que nos achamos eu tenho um espasmo nada a ver no meu corpo, como uma onda de sensações ao mesmo tempo novas e velhas que incidem todas ao mesmo tempo nas minhas tripas.
– Eu não lembro. – ela responde. – Ué. – morde os próprios lábios. – Qual é o seu nome?
– Eita. – respondo. – Sei lá.
Ficamos nos encarando por mais um tempo esquisito. O Sol está se pondo. Parece que não sou o último ser humano existente.
– Por que será que eu não te reconheci como um ser humano, também? – pergunto, intrigado. – Ser humano... O que é isso? Por que eu pensei nisso?
Nem sei por que foi que eu assumi tão de prontidão que realmente sou um dito “ser humano”.
– Perguntas difíceis. Não consigo pensar direito. – diz, pensando forte. – Estranho, eu sempre tenho várias palavras na cabeça e de repente, agora, sumiram. – olha para o lado.
Por um momento eu sigo a linha do seu olhar e olho pra trás de mim. Não acho nada de interessa, fico confuso tentando entender o que é que ela estava olhando de tão peculiar, mas daí me lembro de que isso é a “linguagem corporal” que antes havia quando haviam várias pessoas vivas. Na verdade ela não está olhando a nenhum lugar em específico, mas está tentando se lembrar de alguma coisa importante. Inconscientemente as pessoas faziam isso quando elas queriam se lembrar de alguma coisa importante: olhavam para o nada. Será que o nada tem alguma coisa interessante para nos dizer? Sei lá o que estou pensando. Quem sabe uma pessoa seja um exemplar de ser humano. Sou uma pessoa.
– Engraçado. – digo. – Já eu não consigo parar de pensar em ladainha.
Solto um barulho estranho pela boca. Logo depois, ela também solta barulhinhos parecidos.
Paro.
O que foi isso? Isso foi bom.
– Acho que você riu. – a moça diz. – E eu também ri. Acho que “risada” era algo que curava o tédio, ou a tristeza. Ou os dois.
– É mesmo. – digo, impressionado. – Lembro também que risadas eram o que faziam a gente sentir outra coisa. Um calor esquisito. Ninguém sabia o que era, na verdade, ninguém sabia definir direito. – olho para o lado. – Despertava um negócio bom e ruim ao mesmo tempo. Era um negócio “agridoce”.
Está escurecendo. Agora me recordei que o crepúsculo costumava ser uma coisa linda de se ver, colorida. Agora não é mais. É uma coisa monótona, porque não há mais poluição. Aprendi isso faz tempo, mas não sei mais ao certo o que “poluição” significa. Eu sei que eu sabia o que era, mas não sei o que era. Era um treco que deixava o céu colorido, só isso que eu sei. Acho que eu não a reconheci como ser humano porque eu mesmo não mais me reconhecia como humano. Eu entendia que eu era um humano, mas eu não compreendia o que significava ser humano. E eu não compreendia mais que eu era um humano porque não havia mais um humano para quem eu olhar e gerar as definições com base em outro exemplo concreto da mesma coisa. Deve ser necessário haver pelo menos duas de uma coisa para que essa coisa realmente exista no campo abstrato. Um é igual a zero... E dois é igual a infinitas possibilidades?
– Lembrei! – grito, minha boca fazendo força involuntária pra cima e pros lados, no que costumava ser “sorriso”.  – Risadas despertavam o tal do “amor”... Amor...
– Amor... – repete.
Não desfizemos contato ocular ainda. Bizarro demais. Mas é legal.
Amor... O que era isso? Amor. Amor...
Agora eu sei o que é.
– Amor. – dizemos em simultâneo.
Passo rapidamente a mão pela nuca dela e puxo com força sua cabeça para mim. Nossos dentes se chocam, mas não importa. Nossas línguas tentam se comer, por algum motivo, mesmo que essa ação seja a função dos dentes. Do nada, nós dois morremos.
Morremos?
Não.
Nascemos.
Não.
Renascemos.
Estou investigando sua boca. Parece que estou em outro lugar bem longe daquele em que eu estava antes de eu ter puxado violentamente a sua cabeça. Não sei se nos movemos realmente, porque estou de olhos fechados. Não me lembro de ter fechado os olhos. Ou será que já escureceu? Não pode, ainda sinto o calorzinho do Sol iluminando o meu corpo. Os nossos corpos. Ou será que não é o Sol? Estranho, porque o Sol esquenta a pele, e o que aconteceu é que meu estômago esquentou. É a fome? Estou comendo? Ah, não, é o coração que está quente. Pulsando. Sangue correndo pelo corpo.
Coração.
Eu lembro que isso era uma metáfora para o amor, mas não parece. Não sei como os primeiros humanos associaram o amor ao coração, sendo que o coração só serve para bombear sangue e as emoções são coisas intangíveis e não ficam realmente concentradas num só órgão, porém distribuídas por todo o éter do indivíduo. Sim, compreendo por que eles associaram o coração com o amor, porque é isso o que estou sentindo, mas a minha cabeça não consegue entender a conexão entre esses fatos.
A moça afasta os lábios dos meus, e por coincidência afasto os meus lábios dos dela. Será que foi coincidência mesmo, ou eu sabia que ela se mexeria, porque ela sabia que eu sabia que ela se mexeria? Foi bem surreal... Era como se nos entendêssemos. Como se fôssemos uma coisa só durante aquele beijo. Unos. Será essa a definição de amor? Tudo se resumir a uma coisa só? Amor é união.
– Humm... – gemo. – Isso foi bom.
– Sim. – ela sorri.
Seu rosto é a coisa mais linda que eu já vi na vida. Certeza. Seu rosto é amor.
Ficamos nos olhando, procurando vida um no outro através dos portais das pupilas dilatadas.
– Acho que isso é ser humano. – digo, também sorrindo.
– Sim. – ela sorri mais. – O ser humano existe para espalhar o amor.
– Sim. E nós podemos fazer tantas coisas juntos. – digo, com uma felicidade que não cabe em mim.
Minha felicidade transborda pelos olhos e pela boca e encontra a felicidade transbordante da mulher. As duas coisas abstratas se combinam entre nós numa metáfora poderosa, quando se beijam imaginariamente no ar. Felicidade mais felicidade é igual a êxtase. Amor é êxtase. Amor é várias coisas, porque dois representa o infinito. Amor atiça a curiosidade, a criatividade, a alegria, a humanidade.
– Eu lembro também que o ser humano gostava de outra coisa também. – digo, bastante revigorado do tédio que era minha vida. – Além do amor... Tinha outra coisa bem parecida com isso que era bastante importante, também.
– O que será que era? – pergunta, curiosa. – Sexo?
– Não, não, sexo é amor. Digo, amor é sexo. – corrijo-me.
Olho para o lado e cruzo os braços. Cruzar os braços auxilia a concentração na pesquisa de memórias, também.
– Lembrei. – digo, orgulhoso de mim. Isso é a “auto-estima” que eu recuperei. – Os humanos também gostavam da “morte”.
Automaticamente a minha mão se ergue e aperta o pescoço minúsculo dela com força. Sem querer, mas querendo, aperto bem forte mesmo o pescoço dela. Ela não move os olhos. Cravo meus dedos mais adentro da sua frágil pele, entornando algo roliço que há dentro da garganta. Está meio escuro, mas a pele dela está bem mais roxa do que antes. Circulação sanguínea localmente interrompida? Consigo enxergar com mais clareza agora porque me sinto mais vivo do que nunca. Mais vivo do que num beijo.
– O amor cega. – digo, sorrindo. – A morte esclarece.
Ficamos nos olhando, procurando vida um no outro.
– O amor cria dúvidas, a morte levanta certezas. – faço um discurso épico. – Nunca me senti tão bem! – ela nem se esforça para levantar as mãos e tentar tirar a minha mão do seu pescoço. – A morte é definitiva, é única, é só uma. O amor é um monte de porcarias abstratas que ninguém entende, tampouco entende ou consegue tocar com os dedos. O que há de mais concreto do que a morte?
De repente, seus olhos se arregalam. Sinto que ela sente uma coisa inédita que acabou de recuperar. Ela sente o medo. Mais precisamente, ela sente o desespero. Eu sei o que ela está sentindo porque esse é um momento bastante íntimo entre duas pessoas. Ao contrário do amor, isso daqui é uma coisa só e não pode ser várias. É quando duas pessoas se tornam uma só, quando, assim como no amor, eternizam um momento naquele dado instante. Do nada, suas mãos se erguem e freneticamente começam a bater em mim em qualquer lugar que alcança. Levo bofetadas na face, unhadas na orelha, chutes na perna, socos no coração, etecetera. Oxigenação insuficiente?
– Por que queremos definir tudo? Qual é a verdade da vida? Por que queríamos conhecer a verdade? Por que queremos conhecer a verdade? – entoo, numa música improvisada. – Ó, essa é a filosofia osculando a arte! Uma cena linda de se contemplar! Mas não há pares de olhos e corações para testemunharem esse marco! Que pena! – nas minhas veias a “poesia” percorre.  
Ela não quer morrer. Ela lembrou tudo o que a vida era. Na iminência da morte, a vida revive. A pessoa acorda, as coisas passam a fazer sentido. Eu sei disso porque ela sabe disso. Vejo através de seus olhos. O nome disso é empatia: sentir o que os outros sentem. Eu nunca estive mais vivo, assim como ela também nunca esteve mais viva. Ela não consegue respirar, não consegue nem tossir. O que eu estou espremendo é a sua laringe. Lembrei-me disso da minha infância, das aulas de ciências. Ela vai morrer. Isso o que eu vejo são as veias dos meus antebraços. Tão escondidas, porém tão bonitas.
– Ser e estar! A vida! A vida é ser e estar! Ser o que é, e estar como está! O ser vivo está vivo! Ser é estar! A vida! Não sei o que é, todavia apenas está sendo! – grito muito. – Três vivas à vida! Urra! – fecho mais o punho. – Urra! – urro, exaltado. – Urra! – coloco mais energia nos músculos do meu corpo humano.
Ela vai morrer.
Eu vou viver!
Vejo nos seus olhos que ela morreu. Claro que morreu, ela parou de se mexer. Largo o seu cadáver no asfalto partido com desprezo. A noite caiu. Formigamento? Sim, fiz muita força. Fadiga muscular. Lembro que preciso me alongar, e lembro que me esqueci de que eu tinha que ter feito um “aquecimento” antes deste exercício físico. Agacho-me e pego uma pedra qualquer próxima aos meus pés. Cutuco o corpo com a ponta afiada. Sangue correndo pelo corpo. Estou me sentindo o máximo. Isso se chama “poder”. Só que minha barriga dói.
– A verdade da vida é o poder. – filosofo. – Estou com fome. – estou falando sozinho.

Eu amo ser humano.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Do impasse de ser

Penso bem naquilo que não vingou,
Conjecturo linhas alternativas,
Traço possibilidades na mente,
Então me enterro em minha cabeça.

O coração não suporta essa dor
De que logo em frente há várias estradas,
Desde lá atrás conhecidas: miríade
De opções que eram e são corretas.

Qualquer um dos passos é o melhor,
Que poderia ter sido o pior,
Agora mais nenhum deles importa.

Arrependimento de não poder
Resolver o impasse de querer
Ao mesmo tempo abrir todas as portas.